AMA-MG?

É relevante discutir o papel da principal instituição (não-governamental) voltada para os autistas neste estado: a AMA-MG.

Segundo palavras da própria (e de longa data) presidente na audiência pública do último dia 04 na Câmara Municipal de Belo Horizonte, diferentemente das outras AMAs ao longo do país, a mineira OPTOU, já há muito anos, por não oferecer serviços aos autistas, preferindo concentrar esforços em pressionar politicamente o poder público a cumprir (sozinho) o seu papel no atendimento. Essa posição também estaria sendo defendida junto à Associação Brasileira de Autismo (ABRA), pela presidente da AMA-MG.

Posteriormente, tomei conhecimento de outras supostas razões para que a prestação de serviços antes realizada pela AMA-MG tenha sido interrompida. Entre elas, teria havido suspensão do financimento público e retomada do espaço físico cedido pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). No entanto, é curioso como essas informações não estavam disponíveis quando, no ápice do desespero com o recém-diagnóstico de nossa filha, procuramos, logo de cara, a AMA, que é referência sobre autismo em todo o país. Não havia (e não há) no site oficial mantido pela instituição explicações sobre a ausência de serviços, ausência de informações para os pais, ausência de uma sede física real, ou sobre as atividades com o que a AMA-MG esteve envolvida nos últimos. Não havia (e não há) um email real para contato, e há relatos de pessoas que tiveram suas mensagens sistematicamente ignoradas pela presidente da instituição.

Por outro lado, também não tenho qualquer informação sobre os resultados dos esforços supostamente realizados pela AMA-MG no sentido de cumprir a função que optou por exercer. Mesmo se ignorarmos os resultados, também não encontraremos informações sobre o que de fato tentaram fazer, isto é, sobre as estratégias adotadas. E aqui talvez estejamos falando de quase uma década dedicada a essa linha de ação.

Acho perfeitamente compreensível que as poucas pessoas que provavelmente levavam (sozinhas) a AMA-MG nas costas tenham sucumbido às realidades mutantes de seus filhos autistas rumando para uma adolescência mais conturbada que a média, à particular falta de apoio do poder público em nosso estado, e à falta de interesse e motivação dos próprios demandantes, que é especialmente perniciosa por aqui (e alimenta o descaso da PBH). Eu entendo e aceito que a AMA-MG não tenha “dado certo”. Eu não culpo os seus integrantes por isso. Na verdade, me solidarizo.

Mas não posso perdoar a falta de transparência. A “marca” AMA continua sendo usada por aqui, embora não passe de um fantasma. As informações sobre a retirada do apoio público às antigas atividades da AMA-MG só foram reveladas, extra-oficialmente, após uma provocação, e por alguém que sequer faz parte da sua diretoria. Por que isso foi e é escondido? Porque a instituição não está compartilhando a culpa?

É curioso como essa situação de certo modo parece refletir a postura da PBH de que o não surgimento de uma demanda formal pode ser oportunisticamente interpretado como ausência de problema. É como se os integrantes da AMA-MG agissem como se não tivessem nascido mais autistas depois dos seus próprios filhos?

Minha esperança é que apareça alguém para se defender e dizer que estou sendo injusto porque desconheço a situação. Se essa for a única maneira de fazê-los aparecer e reagir, não me incomodarei.

Atualização: A princípio, a atual presidência da AMA-MG teria começado a demonstrar interesse no contato com pais de crianças autistas. Esse interesse teria sido manifestado por intermédio de um psiquiatra infantil que atende autistas na cidade. É curiosa a necessidade de termos passado pela audiência pública do último dia 4, mais algumas poucas manifestações de insatisfação geral (incluindo sobre o papel da AMA-MG) para que esse movimento (por ora apenas oficioso) da instituição tenha surgido. Mais uma vez ressalto não haver muita diferença entre essa postura e a da PBH.

De minha parte, não há interesse no contato individual. Acho que o mínimo a fazer seria disponibilizar publicamente informações e prestação de contas sobre a AMA-MG (o que fez, o que faz, o que vai fazer, como pretende fazer …) em comunicado oficial, especialmente por meio do site. Qualquer informação que chegar até mim, mesmo que em caráter extra-oficial, será divulgada, especialmente se o tom for de confidência.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s